Tiozão da Massa brilha em noite traiçoeira

Salve, Salve, cambada de “Pastor Maldonado”. Estou pensando seriamente em mudar o critério dos nomes a serem utilizados para saudar os amigos da Copa BH. Acho que estou influenciando negativamente.

No ultimo dia 14, foi realizada a segunda etapa da Copa BH 2019. 31 pilotos se apresentaram ao desafio, sendo um convidado. O traçado possuía uma curva desafiadora, mas desafio mesmo foi escapar das confusões.
Alô comissão, lá vou eu de novo. Sabem qual a diferença entre a tranquila primeira etapa e a turbulenta segunda etapa? A classificação!! Hahahaha. Pois é, façam mesmo essa “mistureba” no grid, seus “Bernie Ecclestones” de granja !! Daqui a pouco vai ser tipo “Mario Kart”, com cascas de banana e poças de óleo.

Vamos por ordem cronológica dos fatos. Que briefing foi aquele? Deu até saudade dos meus tempos de colégio, ohhh “2º C”, galera do fundão, que tempo bom. Os caras lá na frente falaram para poucos, como se fossem professoras de Geografia e todo mundo só queria saber o número do seu kart. Sei que somos todos velhos de guerra, já rodados, e sabemos que não
estamos na Fórmula 1, mas não podemos confundir o bom clima de descontração e amizade com falta de compromisso e descuido. É até desrespeito com os caras ali na frente. Na minha opinião, sair para a pista no clima de boteco influi para a conduta e estamos numa “brincadeira” que demanda tempo, dinheiro e oferece riscos. E ainda, no briefing deveríamos apontar os temas polêmicos da etapa anterior, registrar as punições e o porquê das mesmas, dirimir dúvidas, pois nem todo mundo acompanha o grupo de whatsapp. Fica a sugestão.

Isto posto, vamos à pista. Largada em fila dupla, como nos grandes campeonatos, e a primeira fila era composta por “Laurence da Arábia” e Tim Maia. A Copa BH sempre se apresentando com classe, mas apesar desse glamour artístico, os nomes da corrida viriam do meio para trás do grid. Então vamos falar do pódio.

Flávio Henrique, esse nome que poderia ser de um cantor como José Augusto e Amado Batista, traz a marca de um cara com boa técnica e calma na pista. FH já vinha de uma boa P10 na primeira etapa, ainda mais se considerarmos que 2018 foi quase um ano sabático. Largou na P16, mostrou que quem é bom não desaprende e chegou na P5. Está querendo levar algo para a sua prateleira no fim da temporada.

GUIBOUA, estreante esse ano neste campeonato, é um operário do kart, experiente e dedicado. Além do belo casco, tem bons resultados em outras ligas. Também vinha de bom resultado na primeira etapa (P8) e aparece no pódio na segunda. De olho nele galera.

E o que escrever novamente sobre o Papai Emediato?? Vamos ser francos, já que somos todos ao menos conhecidos. Ronan é um dos mais visados e criticados na conduta dentro da pista, por ser agressivo e incisivo em ultrapassagens (não quer dizer desleal). Mas vi seu vídeo e foi uma bela corrida, limpíssima, sem reparos. Já na segunda etapa, eu o aponto
como favorito ao caneco, tipo Hamilton na F1. Depois de dominar a primeira etapa, largou na P24 e arrancou outro grande resultado, está muito motivado e com muita velocidade. Como
diria Galvão Bueno : “Segura que eu quero ver !!”

Na segunda posição do pódio, apareceu um sobrenome conhecido, SILVA, Adriano. Quem não entendeu, não conhece tão bem o Ayrton. O Silva da Copa BH largou da P28, e para chegar numa P2 em menos de meia hora de corrida, tem que estar muito focado e determinado. Porém o Silva da Copa BH estava determinado demais e caiu no exame de DNA da comissão e foi punido por vídeos em 2 incidentes, sim, ele era o pai. A P2 evaporou e todos
abaixo subiram uma posição. Adriano tem velocidade e tem disputado campeonatos fortes.

Ausente na primeira etapa, merece aqui o destaque mesmo após as punições. Não duvidem desse camarada.
E finalmente, Gustavo Duarte, o Tiozão da Massa, vence sua primeira corrida na Copa BH e coloca seu nome no hall da fama. O parentesco é com o Matheus Verstappen, mas é o tiozão da galera, sempre tranquilo, nunca alterado, famoso boa praça. E além disso, no seu jeito simples de ser e pilotar, anda muito e por essa primeira vitória a seção “Palavra do
piloto” é dele : “…Larguei em décimo terceiro, logo no começo da prova perdi algumas posições e vim remando, devagarinho, dei sorte em algumas batidas ocorridas que dei conta de sair fora. Estava esperando por uma vitória. Já havia conseguido um segundo e um quarto lugar, mas ganhar na Copa Bh com tantos pilotos bons, é muito gratificante. Que venham mais
pódios”.

Os pilotos citados podem estar resmungando; “está errado! Larguei mais atrás!”, mas larguem de ser mentirosos, e parem de enganar seus seguidores de redes sociais. Do grid enviado por email, houveram três ausências. Cambada de marqueteiros !!

No fim das contas, a comissão que geralmente é vidraça, se ergueu, mostrou força e desceu a caneta como pedia o momento. Punições foram aplicadas e que todos entendam, punidos ou não, o espírito da nossa Copa. Competir sim, mas com lealdade. Arrojo sim, mas com limites. Isso não quer dizer que não ocorrerão toques, erros etc. Claro que sim, isso é do esporte e acontece em qualquer corrida profissional. Mas os excessos demonstrados em alguns lances devem ser contidos.

Com as punições, Adalberto “Senna” herda a última vaga no pódio. Após a próxima etapa vou cravar meus favoritos nessa imperdível coluna, além do Emediato Imediato. No máximo mais quatro. Podem me cobrar depois, pois quem sabe, sabe. rs

A terceira etapa está marcada para o dia 11/04, em Betim. Primeira vez da Copa BH no tradicional kartódromo. Porém vários pilotos dessa liga extraordinária são figuras carimbadas naquela pista e podem mexer na tabela de classificação com essa experiência que outros não possuem. Espero que os ponteiros sejam acertados até lá e que façamos uma grande estreia.

E como diria Kal-El : “para o alto e avante!!”

Primeira prova : PPPPP (Papai Pole Position Ponta a Ponta)

Salve, Salve, cambada de “Tora Takagi”, finalmente abriram-se as cortinas do teatro do RBC, e começamos mais uma temporada da Copa BH. Estreamos com 32 karts no grid, e isso porque ainda tivemos algumas importantes ausências.

Como previsto no regulamento, a primeira prova, e só ela, tem classificação (vaias e mais vaias rs), e com esse número de pilotos no grid, já entramos na pista com 2 desafios: um, achar uma volta limpa em 5 minutos e dois, classificar bem, pois largar no olho do furação ou no fim da fila torna mais difícil um bom resultado final.

E lá vai ele, com seu novo capacete do Valentino Rossi, Papai Ronan Emediato, em seu imediatismo, foi com a faca nos dentes e em sua última volta de classificação, cravou mais uma pole na carreira e deixou claro, que se o regulamento permitisse, iria atrás do recorde de poles de Lewis Hamilton, ainda em construção.

Ainda tiveram uma boa classificação : 2º Matheus Verstappen 3º Kojak Malaguti 4º Júlio Gervásio  5º  Israel Salmen 6º Estevão da MTB 7º Bruno Button Scopeta e 8º Flávio Renegado. Percebam, destes 8 primeiros classificados, eram 4 pilotos que estavam regressando depois de um longo e tenebroso inverno (“Winter Is Coming”).

Adalberto “Senna” Diniz, que tinha um problema relevante no pneu, deixou para trocar de kart após a bandeira vermelha e a regra é clara Galvão : Item 5.5 * único : “Para a primeira etapa do ano, a troca de kart realizada após o treino oficial, obriga o piloto a largar na última posição do grid.” E assim foi feito, “Rossi” abriu o grid e “Senna” fechou.

E lá fomos nós, alinhados, aquela ansiedade pré largada e… lá vem o Mauro Chapolin, defensor dos fracos e oprimidos, furando a fila para segurar o pelotão, avisando que o kart do Scopim tinha morrido, só que além de baita piloto, de “tocada Button” e tiro de escopeta, nosso amigo chinês é um “Jiraya” (sei que o ninja é japonês), e sentado no kart em movimento, em duas tentativas fez o motor funcionar e liberou a largada.

Diga-se aliás que a largada com 32 karts ocorreu sem incidentes mais relevantes. Mas a pergunta que não quer calar: o êxito na largada foi consequência da ordem estabelecida na classificação, ou no grid invertido com pilotos em ritmos diferentes e misturados, também não teremos problemas?? Isso você verá no próximo episódio deeeee…Spectremen.

Dada a largada, Ronan foi firme na primeira curva e manteve a ponta. Já Júlio conseguiu pular de P4 para P2. E assim, imprimiram um ritmo muito forte e seguiram até o fim da corrida, e ponto final (rs).

Poderia ser assim o contexto desta coluna, mas apenas no que se refere aos 2 primeiros. Muita coisa aconteceu atrás dos dois que pleitearam o trono dessa etapa. Verstappen e Kojak disputaram muito pela P3, trocaram posições, dividiam as curvas, mas se esqueceram do campeão de 2017 que vinha logo ali atrás e sem pedir licença abriu caminho para um retorno cheio de moral. Salmen (homem de sal, para os leigos, desculpem), depois que descontou a diferença e executou os dois, defendeu como poucos até o fim da corrida e levou o P3 pra casa.

E olhem que nessa tripla disputa, quase chegaram o Mauro Chapolin e o Button chinês, que faziam ótima prova. Mais algumas voltas, sei não, a medalha desse que vos escreve poderia rodar.

Dali para trás, o grupo ficou dividido em alguns pelotões, por exemplo Lelis, Flávio, Rodrigo Drummond, Jadson Rei do Açaí, Tio Gustavo e Marco Túlio, que ficaram boa parte da corrida se engalfinhando. E mais atrás ainda, parecia a música do Rappa, “Tumulto, corra que o tumulto está formado, vem cá, vem vê, vem cá, vem vê-ê, que dentro do tumulto pode estar você.”

Mas apesar de alguns toques, algumas ocorrências para a análise da comissão e do piloto escolhido para tal, não aconteceu nada que em todas as etapas de qualquer campeonato, amador ou profissional não aconteça.

Nas minhas colunas, a cada corrida, vou pegar a palavra de algum piloto escolhido por mim aleatoriamente, será a seção “Palavra do Piloto”. Na primeira, o atual campeão, o Iceman, Marcelo Caldeira disse o seguinte : “O campeonato 2019 começou muito forte! A turma está andando muito bem, mas tomei um toque na segunda volta que atrapalhou toda minha estratégia de corrida. Recuperei algumas posições mas poderia ter conseguido um resultado melhor. Vou com tudo para a próxima!”  Alguém duvida??

E vocês se lembram do “Senna Diniz” fechando o grid em último? Acabou numa ótima P13. E o primeiro campeão Estevão da MTB (Mountain Bike) que largou na P6?  Após rodar sozinho, terminou na P21. Além dessas reviravoltas, ocorreram problemas em alguns karts, lances polêmicos, e é assim, pois isso é automobilismo amigos e tudo pode acontecer nesse incrível esporte que testa o nosso próprio limite e o da máquina.

A segunda etapa está marcada para o dia 14/03, e espero que todos estejam lá.

E como diria Kal-El : “para o alto e avante!!”